Sonhos: uma construção compartilhada

Qual o momento em que devemos olhar para nós e nossos propósitos? Como equilibrar os sonhos coletivos e os individuais?


Esse foi o tom da conversa no último Papo Magis, que discutiu sobre o Direito de Sonhar da juventude, no Centro Magis Amazônia em Belém, no dia 31 de outubro. Refletimos sobre o quanto os privilégios que alguns desfrutam, na verdade são direitos negados a muitas pessoas. Falamos também sobre a importância de se pensar no coletivo e ao mesmo tempo poder se salvar e aspirar um futuro individual.



Além de compartilharmos sobre os desafios que interpelam as várias juventudes, discutimos sobre os direitos sociais, políticos e fundamentais que estão inseridos no Estatuto da Juventude. Fizemos o exercício de pensar para além dos obstáculos: o que me motiva a continuar essa caminhada?


O Papo Magis tem a intenção de ser um espaço de escuta e de oportunidade de conversa sobre questões que interferem diretamente na vida dos jovens. Nessa última edição, a proposta foi de entender que há vários desafios a serem vencidos, mas colocando em destaque a necessidade de exercer a imaginação sobre nosso futuro, para onde queremos ir e qual o caminho a ser percorrido até lá.



Como disse um dos participantes da atividade, é importante partilharmos nossas aflições, pois só assim vamos conseguir nos colocar um pouco no lugar do outro, e pensar de que maneira podemos ajudar nessa caminhada rumo a realização de seus propósitos.



De maneira lúdica tentamos materializar esses pensamentos e construimos juntos um painel com frases, imagens e pinturas. Um mosaico de sonhos coletivos que só fazem sentido com a participação de cada uma e cada um presentes.



24 visualizações